terça-feira, 1 de julho de 2014

E agora, como vai ser? Não consigo escrever, não consigo respirar, não consigo pensar. Só consigo pensar que não posso pensar, mas não consigo parar de pensar. Meu coração está despedaçado, destruído. Porque você faz isso comigo?

sábado, 9 de novembro de 2013

Decepção

Eu me decepcionei. E você nem se importou. Quer acabar? acaba, eu não ligo.
Acho que nunca conheci uma pessoa tão individualista quanto você. VOCÊ quer, VOCÊ faz, VOCÊ não pensa em quem te ama, VOCÊ só pensa na sua imagem.
Como, depois de tudo, ainda se consegue amar? Preocupar? Cuidar?
Como dormir?
Como consegue pedir qualquer desculpa indiferente só para que o assunto acabe?
Você alguma vez se sentiu culpado? Você alguma vez pensou em mim?
O coração está machucado, e vai ser difícil de curar. E o pior, você nem liga.

segunda-feira, 17 de junho de 2013

É amor


É amor, já era! Nunca soube o que era isso até descobrir com você. No dia em que vimos o pôr-do-sol , eu me senti tão bem, tão feliz. Queria ficar ali para sempre. Depois descobri que sinto a mesma sensação quando deito minha cabeça em seu peito. Nunca mais quero sair dali. É o meu lugar favorito. Você é o meu melhor cobertor, meu melhor coração. Aprendi tanto com você, talvez você nem saiba, mas seu melhor ensinamento foi me ensinar a amar. Te amo com sabor de doce de leite.

sábado, 15 de junho de 2013

Sonho, e continuo


Sonho com o dia em que viverei em meus sonhos. Onde nada faz sentido, e nem precisa que o faça. Onde, para viver, só é preciso acreditar. O mundo muda a cada segundo, tudo é possivel, tudo acontece, posso voar, respirar embaixo d'água, mudar de forma, de nome, de ideia. Crio o que desejo, destruo o que quero distância, e quando nada dá certo, é só acordar. Lá tudo que é bom, dura pouco, e o que é ruim também. Quando abro os olhos, só sinto sorrisos.

1 nova mensagem



Recebi um cartão, em que havia um ditado muito bonito escrito:

"We are all visitors to this time, this place.
We are all just passing through.
Our purpose here is to observe, to learn, to grow, to love...
And then we return home."

domingo, 6 de janeiro de 2013

Sonhando em viver




Possuo, de vez em quando, um tipo de humor peculiar. Pode chamar do que quiser. Isso não me importa. O que importa é a capacidade disso fazer minha cabeça mudar de ideia inúmeras vezes, infinitas vezes. Até chegar o momento em que eu não quero mais nada, só o que eu quero é acabar com o desconforto que estou sentindo e nem sei por quê. Por que sentimos o que sentimos e queremos o que queremos? De onde surgem nossas ideias? Por que queremos tanto, tudo, toda hora. Será que existe algum momento em que deixamos de querer algo? Nossa vida é movida a quereres. Parando para pensar, se não quiséssemos nada, estaríamos com um problema. Somos movidos a sonhos, desafios. E quando não existir mais sonhos? De que adianta? Não adianta.
Sou a favor dos sonhos, de quantos quiser, eu tenho vários, infinitos e vou continuar tendo até realizar todos, ou pelo menos tentar. Isso que me move, que me faz viver. Sonhar faz bem, sonhar faz viver. 

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Lição para mim



Sou cheia de medos. É isso que posso dizer. Sumidos muitas vezes resolvem aparecer. Medos nunca andam sozinhos. Desde quando se tem um só medo? Isso existe? Partindo do ponto de que nunca foi ouvida tal coisa, a hipótese é formada. Medos andam em grupos. Grupos que ocasionalmente se juntam e formam uma onda de medos, mas que também andam em grupos separados, pequenos, e vem aos poucos, feito gota de chuva. E o que fazer com isso tudo? Nada. Sofrer, chorar, desentender, pensar, pensar, pensar e mandar passar. Pensar e enfrentar, mostrar a cara para a vida e se deixar viver. Pode sofrer, mas amanhã tem que esquecer. Nada de deixar os medos mandarem em você. Eu criei, eu destruo. Eu mando. Eu faço.

domingo, 11 de novembro de 2012

Você


Você foi quem eu mais amei, quem eu primeiro amei. Você é cheio de problemas, e eu também sou. Acho que todo mundo é. Somos bons juntos, bonitos juntos. Você me faz bem de uma maneira que você nem imagina. Eu sou carinhosa, mas não costumo falar isso. Eu reclamo tanto, eu falo tanto, choro tanto. Eu sou um saco. Mas acho que eu me dou liberdade de ser um saco com você. Talvez porque você me aguente. Antes de você eu escrevia de sensações que eu queria tanto ter, agora quase não escrevo. Não escrevo porque as tive com você. O que eu quero mais agora? Quero você. Ficar junto com você, resolver os problemas juntos, e depois que tudo passar, aproveitar a felicidade junto com você.  

domingo, 23 de setembro de 2012

Tormenta

Não sei como começar, então começo dizendo que não sei como começar. Assim me livro de duas coisas (começar e saber como começar).
Agora que já comecei (ok, já posso parar com isso) posso dizer que estou louca de incômodo sem saber o que fazer. Eu não sei o que está errado, mas sei que tem algo errado, ou posso só achar que tem, mas tenho quase certeza que estou certa. 
Ok, desenrolando: Algo de errado está acontecendo e preciso saber o que é porque preciso consertar isso. E estou ficando muito agoniada sem saber o que é. Sou ou é você? Somos nós? Ou não somos e eu estou completamente maluca? É isso? Me ajuda, por favor? Eu to falando sério, mesmo que não esteja parecendo. 
O texto está muito conversativo, diferente do que eu costumava fazer, mas merece ficar, pelo menos por um tempo.

domingo, 8 de julho de 2012

Sou não sou


                                         

Não sou sempre triste, posso parecer, mas quando não sou triste, não estou aqui. Escrever é o que me deixa mais a vontade, é o que liberta meus pensamentos, solta minha alma. Quando estou bem, minha alma já está solta e meus pensamentos já estão livres, só me resta aproveitá-los. Escrever me ajuda nos momentos ruins, e se não tem momento ruim, não tem tantas palavras. Então não sou só triste. Sou tudo, sou qualquer coisa, sou o que sei ser, sou eu. Escrevo quando as palavras pedem para sair, e esse instinto não controlo. Esse instinto, obedeço.